Planos relativos ao estudo e divulgação de Protágoras

Pretendo ainda desenvolver em minha enciclopédia (ou “euciclopédia”) ProjetoQuem um pouco mais o tópico “Ditos e Feitos” do item “Protágoras” — na seção Quem de A a Z.  E mais adiante, pretendo também fazer um exame cuidadoso da questão do modo como Protágoras cobrava para dar aulas de retórica.

É preciso. Tenho que fazer isso. Para desfazer preconceitos históricos em relação ao sofista Protágoras de Abdera.

Protágoras parece ter sido o primeiro a fazer isto, pelo menos explicitamente e de modo ostensivo (cobrar para dar aulas sobre como desenvolver uma boa argumentação), tendo vindo de uma origem pobre.

Em outras palavras, ele criou uma nova atividade profissional, a de professor de retórica jurídico-política e técnicas argumentativas, profissionalizando e popularizando como atividade independente e aberta a todos o que antes era uma atividade de tipo sacerdotal ou de aconselhamento a ricas famílias aristocráticas praticado por sábios que viviam nos palácios dessa gente aristocrata e sustentados por ela (o que quer dizer pensando muito menos livremente, e muito mais submetidos à influência dos interesses da aristocracia).

Além de cobrar (caro, caríssimo) por suas aulas para alunos de famílias ricas, ao que parece Protágoras dava aulas periodicamente a preço de custo para grupos de alunos vindos de famílias pobres. E também parece ter sido o primeiro a promover e organizar pessoalmente concursos públicos de retórica e argumentação, abrindo espaço para novos e jovens pensadores (não importando a classe socio-econômica de que viessem)  — atividade para a qual, ao que tudo indica, precisaria (e provavelmente deve de fato) ter investido somas consideráveis daquela riqueza que havia conseguido com aquelas aulas caras para jovens de famílias ricas.

Finalmente, ao escrever uma constituição democrática para a nova cidade de Túrios a pedido de Péricles, Protágoras propôs ali uma radicalização e expansão do ensino público gratuito. Tudo isto somado a sua defesa da igualdade e da democracia direta parece apontar uma postura político-filosófica muito específica e interessante (ultra-democrática) no que diz respeito à questão da educação.

Deixe uma resposta