sobre ensinar, aprender e viver (de março de 2013)

Viver (ensinar e aprender) é um jogo. A gente começa aprendendo, depois acha que está ensinado, depois aprende a ensinar, depois aprende que sempre se aprende a ensinar, e aí a gente se dá conta de que na verdade, está mais aprendendo do que ensinando. E também que a maior parte do que a gente vai gravando como conhecimento nessa vida, a gente grava “nos outros”, e mesmo isso, ainda é “aprender” bem mais do que “ensinar”. Porque “gravar-se” nos outros é gravar em si mesmo um modo de gravação, a ação expressiva bem ou mal se grava em nós, vira reflexão e repertório de mais reflexão. E porque os “outros” estão fora de nós, são diferença e fazem a nossa expressão se diferenciar de nós mesmos. Relêem a gente no próprio modo como vão recebendo a gravação.

 

Podemos gostar da releitura ou não. Mas logo nos damos conta de que a gente é também o “outro” em que cada um desses nossos “outros” se grava. É quando se percebe a idade, e que nessa vida, tudo é um grande jogo educacional…nada mais.

 

Nada mais?

 

29/Mar/2013

Deixe uma resposta