sobre razão e coração (novembro de 2012)

O coração de Pascal tem razões que a própria razão desconhece. A razão de Flusser tem um coração que ela própria ignora. Será minha razão, ela própria, um pedaço necrosado, um naco de coração indiferente a si mesmo?

 

Essa indiferença, o que é?

 

Ou… o que não é?

 

2/Nov./2012

Deixe uma resposta